Skip to content
31/05/2015 / Paulo Wainberg

O galope da tartaruga

É como me sinto, uma tartaruga galopando para o mar, olhando muito além do que meus passos permitem, perseverando, insistindo, negando o fato óbvio: Jamais chegarei lá.

Vou sucumbir, eu sei, muito antes do fim da linha, porque o Tempo, esse Chronus, esse Saturno devorador de seus próprios filhos não tem complacência, paciência, não dá trégua e não estanca sua fome sobrenatural.

Meus olhos vêem até onde podem e fomentam um desejo insistente de chegar lá, coisa que meus passos não permitem, que meu galope jamais alcançarão.

Olho para trás e percebo, entristecido, quantos poucos metros consegui andar, quantas poucas coisas consegui fazer, quão vagas e fugazes foram minhas vivências.

Sei que alguns metros mais irei caminhar até sucumbir, antes de chegar ao fim.

E me pergunto: É justo ter que me contentar com tão pouco?

One Comment

Deixe um Comentário
  1. Paulo Bentancur / Maio 31 2015 11:04

    Não, não é nada justo. Um texto contundente, de levar o leitor à tontura, pela emoção. Mais uma estupenda crônica com o tom de mergulho profundo, que é o que o pensamento de Paulo Wainberg faz. Parabéns, amigo. Brilhante!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: