Skip to content
29/11/2013 / Paulo Wainberg

A linha do descobrimento – 10/11/2008

Quando descobri que não suportava gosto e cheiro de leite era tarde demais. Minha mãe teve que queimar o tapete da sala. Vomitei como gente grande e tinha seis anos.

Quando descobri que as meninas adoravam meu olhar penetrante entrecortado pela fumaça do cigarro era tarde demais. Eu já estava viciado e tinha treze anos.

Quando descobri como foi bom comer a empregada doméstica lá de casa era tarde demais. Peguei “chato”, coçou, ardeu e eu tinha catorze anos.

Estas três descobertas – que considero essenciais na formação de meu caráter – produziram modificações profundas na minha existência embora, no momento, não lembre nenhuma.

Praticamente falando, nunca mais bebi ou cheirei leite, fumo até hoje e me cuidei para nunca mais pegar doenças venéreas. Me dei bem nas três.

Não sei se você sabe e se não sabe vai ficar sabendo que a realidade só existe na ficção e que a ficção, por ser ficção, não existe.

Não é uma teoria, meu caro passageiro, é um princípio que, como todo o princípio, não tem fim porque, se tivesse fim, não seria princípio.

Princípio com fim volta ao princípio o que prova, definitivamente, que eternidade não existe porque, ao contrário do que possam imaginar alguns filósofos de resultado, cientistas de ocasião e religiosos materialistas, a eternidade não tem nem princípio nem fim.

É um pensamento mais claro do que o mais claro dos brancos jamais produzidos.

Por causa disso acho que um dos melhores exercícios físicos que se pode praticar, nessa vida sedentária que nos assola, é visitar cemitérios. Além do ar puro, da paisagem bucólica e da vista da cidade se o cemitério for num morro, você verá velhos conhecidos, antigos parentes e uma infinidade de pessoas que você sequer sabia que tinham nascido e já residem lá.

Caminhando por alamedas floridas e perfumadas pelos troncos e folhas de ciprestes você perceberá que a paz existe, está ali, ao seu alcance, basta ter um pouco de paciência.

Entre um túmulo e outro, lendo as saudades imorredouras escritas nas lápides – no caso das mais antigas são saudades que já morreram há muito -, observando alguns montinhos de terra aguardando o túmulo, marcadas com plaquetas numeradas, ou pequenos lotes de terra com aviso de “reservado”, você compreenderá o motivo pelo qual, no mundo dos negócios, a compra e venda de imóveis cemiteriais é de longe a mais rentável, a única que não sofre com a crise da construção civil.

Acho que é o meu espírito bucólico, mas não gosto de edifícios- cemitérios, com andares e área construída imponente, onde os túmulos são enfiados em nichos nas paredes, para ganhar espaço.

O condomínio vertical dos mortos soa assim, mal, como heresia financeira. Prefiro os ao ar livre, com túmulos horizontais espalhados diretamente sobre a terra, amplos gramados, monumentos, flores da estação e pedras brancas sobre as lápides.

É mais bonito, agradável de se ver, são cemitérios com poesia, disfarçando a especulação imobiliária subjacente a cada contrato de compra e venda de um lote.

Outra coisa boa de se fazer em cemitérios é lembrar. Você para diante do túmulo de uma pessoa que, por ouvir falar, você sabe que foi seu bisavô a quem nunca conheceu. Mas do seu avô você lembra e sorri, afetuosamente, recordando quantos presentes ele te deu e como era bom quando ele te pegava no colo. Talvez até uma lágrima escorra, não de saudades dele, mas de saudades de você mesmo, da idade que você já teve e das descobertas que você, assim como eu, fez ao longo de sua vida.

Quantas vezes você conversou com uma foto antiga, encravada na pedra, e não obteve resposta?

Mas, passeando no cemitério, a gente conversa com fotografias e pedras, esperando uma resposta, por que será? Mesmo sabendo que ela não virá?

Por isso não acho graça em cremações. Tudo o que lhe restará para uma conversa será a urna na prateleira de cima, no móvel da televisão e que você nem vê mais, como a gente costuma não ver o que está sempre diante dos nossos olhos.

Tem outra coisa que nos ocorre, inevitável, quando passeamos em cemitérios: saber que um dia será a nossa vez e tudo o que somos, temos e sentimos terminará ali, emoldurado por uma lápide com foto e saudades imorredouras que morrerão logo ali. E, também é inevitável, tiramos de letra, isso é coisa para depois, quando chegar a hora a gente vê como é que é. E para disfarçar você enfia as mãos nos bolsos ou segura a bolsa com as duas mãos e fica apreciando os passarinhos flibusteiros que por ali voejam quais navios fantasmas.

Aí você sai do cemitério, dá uma gorjeta ao flanelinha que ganha a vida com enterros alheios e volta à vidinha de sempre como se nada tivesse acontecido.

É ou não é?

Aposto que no mundo paralelo que, como se sabe, existe simultaneamente ao nosso, eu gosto de leite, nunca fumei e jamais comi a empregada lá de casa.

Nem fico pensando nesse tipo de coisa.

Lá eu tomo leite adoidado, bem gordo e com nata, as garotas adoram meu olhar penetrante sem fumaça de cigarro e as empregadas domésticas não transmitem chato. Lá eu não vou a cemitérios, não escrevo crônicas, ganho um monte de dinheiro e, quem sabe, até viro senador de preferência, deputado federal, vá lá que seja, ou cantor de ópera, o que seria uma glória.

Você prefere ir ao cemitério em dia de sol ou em dia de chuva?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: