Skip to content
28/11/2013 / Paulo Wainberg

Última pequena carta literária (10)

O escritor nunca está feliz.

Quando não escreve, sente-se amputado pela metade, como quem não está cumprindo sua finalidade da vida.

Enquanto escreve vive atormentado por personagens, situações, eventos e ansioso em saber como terminará a história que está contando. O universo próprio do romance nem sempre é bom para o escritor.

Quando termina o romance sofre duplamente: Jamais fica satisfeito com o que escreveu. E dolorosas saudades do mundo que criou e dos personagens com quem conviveu.

Quando o romance é publicado, um pequeno momento de satisfação ao ver o livro pela primeira vez. Efêmera satisfação porque, em seguida, distancia-se da obra por instinto de sobrevivência.

Se a crítica é boa, sofre porque ela é fugaz. Se a crítica é ruim, sofre porque ela não é boa. Se o livro vende muito, sofre porque não sabe o que os leitores estão sentindo. Se vende pouco, sofre porque se sente injustiçado.

Sofre, sofre, sofre porque, assim como não controla seus personagens, também não controla o que acontece com eles no respectivo mundo exterior.

De todas as infelicidades, prefiro a que sinto quando estou escrevendo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: