Skip to content
18/11/2013 / Paulo Wainberg

Crônicas indignadas -13/11/2009

 13/11/2009

FOME!!

Li que o diretor da FAO, entidade da ONU que se preocupa com a questão dos alimentos para a Humanidade, está convocando um jejum planetário em solidariedade aos desnutridos.

Mas o que é isso? Onde é que nós estamos?

O homem, ao invés de nutrir os desnutridos que desnutrir os nutridos!!!

Quer irmanar a Humanidade na fome!

Montemos o cenário condizente com a proposta da FAO: No sábado ninguém, absolutamente ninguém no planeta Terra, come. Inclusive os habituais desnutridos!

Os desnutridos habituais vão vibrar de alegria, afinal não são eles apenas que não têm comida. São capazes de sair pelas ruas das cidades, pelas avenidas das metrópoles, pelos parques, no hipódromo, na saída dos cinemas, nos cassinos de Monte Carlo e na porta dos restaurantes vazios, abraçando, beijando e dançando com o novos desnutridos, aqueles que jejuaram em favor deles.

No dia seguinte cada desnutrido contará aos seus descendentes desnutridos, que no sábado histórico do jejum universal eles foram, finalmente, reconhecidos, aderidos e solidarizados.

Os jejuadores, por sua vez, tomarão seus fartos cafés da manhã com sensação do dever cumprido, alegres e enaltecidos pelo gesto, a auto-estima lá em cima e, o que é o melhor, com a certeza de ter feito a sua parte solidária com os que passam fome, muita fome neste mundo.

Quem fará isso?

É o que pergunto ao diretor da FAO, idealizador do movimento.

Não sei a razão, mas me ocorreram, de súbito, certas ideologias que pregam o empobrecimento geral e não o enriquecimento coletivo.

A grande questão que quero colocar a você, pessoa inteligente, é a seguinte: No dia do jejum, você irá confraternizar com os desnutridos? Você irá, por exemplo, ao encontro do seu mendigo de estimação para abraçá-lo e dizer:

– Meu amigo, você não está passando fome sozinho. Eu, em solidariedade a você, hoje também estou passando fome.

E, caso você tome essa atitude, qual a reação que espera do desnutrido por você abraçado? Quer que ele dance de alegria? Que ele agradeça seu gesto? Quem sabe ele o convida para uma parceria permanente, algo assim como irmãos na fome?

E faço este alerta considerando que, obviamente, você não vai ficar jejuando sem nenhum desnutrido saber da grandiosidade de sua atitude.

Era só o que faltava! O planeta inteiro jejuando em solidariedade aos desnutridos e os desnutridos nem aí, porque nenhum jejuador se lembrou de avisá-los.

Não sei por que, me lembrei das festas beneficentes em favor dos pobres que, como todo mundo sabe, não lêem as colunas sociais dos jornais. Patrões e patronesses convocam seus amigos ricos para um jantar num clube da moda ou da tradição, a, por exemplo, quinhentos reais o talher. Jantar caro, concordo, mas quem irá perder a oportunidade de comparecer, ser fotografado e televisionado, bonitos, as patronesses trajando vestidos alta-costura, drinques variados, especialmente espumantes estrangeiros? Um espetáculo! Porém, ninguém se lembra de avisar os pobres que são, assim, totalmente excluídos da festa feita em favor deles. Você não encontra um único pobre na festa.

Voltemos ao dia do jejum, preconizado pelo diretor da FAO.

Nós, judeus, jejuamos um dia inteiro por ano, no conhecido Dia do Perdão. Jejuamos por autopunição pelos pecados cometidos no ano que passou. Jejuamos pela compreensão da natureza humana que nos leva a perdoar os erros e pecados dos outros. Jejuamos para a obtenção de um perdão, coletivo e divino.

O jejum da FAO não leva nada disso em consideração. É um jejum de alerta, um jejum de conscientização: você, pessoa inteligente, que não sabe que existem milhões e milhões de subnutridos e desnutridos no Planeta, jejuando saberá.

Será que o diretor da FAO espera que cada habitante nutrido do planeta destine um prato de comida aos desnutridos? E, com essa atitude universal, pensa que resolve o problema da fome? Um prato de comida?!!!

Propostas dessa natureza, inócuas, hipócritas e cínicas, apenas ajudam a preservar o assim denominado ‘status quo’. Nada resolvem, não apontam caminhos de solução, não alertam nem conscientizam ninguém.

Tal qual jantares beneficentes!

A verdade, a verdade mais verdadeira de todas, é que não existe, no Planeta Terra, um único motivo para que alguém passe fome, seja ignorante ou subnutrido.

A não ser o desejo dos próprios seres humanos.

Temos recursos naturais, temos tecnologia, temos dinheiro suficiente para prover a Humanidade de todas as suas necessidades vitais, desde a alimentação até a saúde, educação, lazer e digna vida.

Podemos, porque podemos acabar com as misérias africanas, asiáticas, americanas, européias, podemos, onde houver um ser humano, proporcionar-lhe dignidade vital.

A Humanidade está a um passo daquilo que todos os governantes alegam almejar, que todo o indivíduo diz ambicionar: a paz e o crescimento universal.

Temos o equipamento para isso, temos os fundamentos filosóficos para isso, temos a crítica ética para isso. Só não temos, ainda, uma verdadeira vontade para isso!

Portanto, senhor diretor da FAO, se alguma contribuição eu possa humildemente lhe ofertar, aí vai: desista do jejum em favor dos desnutridos e implante uma política internacional para nutri-los.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: