Skip to content
06/11/2013 / Paulo Wainberg

Os desígnios da paixão

Crônicas Amorosas

OS DESÍGNIOS DA PAIXÃO

2/02/2010

Quando você ama alguém pode se apaixonar por outro, mas quando está apaixonado por alguém, não se apaixona por outro.

Digo mais que é para não restar pedra sobre pedra: Quando você ama alguém, pode amar outro e quando você está apaixonado por alguém pode continuar amando outro.

O amor é o conjunto de várias coisas: você ama o jeitinho dela sorrir, o modo como ele coça o nariz quando está triste, o suspiro que ela dá logo depois, o cuidado dele com as crianças.

Você pode amar outro(a) ao mesmo tempo porque ele(a) diz coisas diferentes, trata você com outras ternuras, quando toca sua mão é um arrepio, você admira a inteligência dele(a), gosta do tom de voz, o cabelo, a cor do olho, o pé bonito.

O amor envolve prazer na convivência, amizade, companheirismo, gostos compatíveis, pequenos (mas enormes) momentos de convívio, brigas por bobagens, desentendimentos, respeito e compreensão mútuos.

Afirmo, do alto de minha inesgotável sabedoria amortecida por infinita modéstia, que é impossível amar duas pessoas ao mesmo tempo sem prejuízo de nenhum dos amores.

A paixão é diferente.

Apaixonados não pensam, reagem. Apaixonados não pedem, tomam. Apaixonados não resistem e se entregam.

Alguns apaixonados, em homenagem aos verdadeiros amores, postergam, recuam, hesitam, mas sabem que estão adiando o inevitável e que, mais cedo ou mais tarde, sucumbirão ao apelo da paixão.

Quando o amor é para um(a) e a paixão é para outro(a), minha doce amiga, meu prezado amigo, as culpas passam a ter nome: traição, fidelidade, honra, pecado, prurido e… Medo.

A sina dos apaixonados é saber que a paixão é efêmera e o risco que correm, maior do que qualquer outro, até mesmo o de ser descoberto, é que ela se transforme em amor.

Quando isto acontece, de a paixão se transformar em amor, vem o tormento da escolha porque, entre dois amores, nenhum dilema é maior para o ser humano.

Apesar de parecer cinismo, não é. Entregar-se à paixão é um proveito próprio, sem prejudicar ninguém, nem mesmo à pessoa amada.

O custo é alto reconheço, porque a paixão, quanto mais proibida, mas exige em cuidados, em sigilos, em subterfúgios e em uma boa dose de prazer perverso de sentir-se acima dos demais, capaz de tamanha nobreza de sentimentos, de usufruir emoções intensas como ninguém será capaz.

Em cada encontro, em cada olhar sub-reptício, em cada roçar eventual de braços ou mãos, em cada frase codificada, perpetua-se o desejo inerente da contravenção e do desafio ao perigo, tão natural na essência humana.

Os apaixonados rendem permanente homenagem à própria grandeza e à pureza primitiva dos seus sentimentos: o prazer pelo prazer.

Quer coisa melhor?

Quando a coisa evolui e a paixão cede, lentamente, lugar ao amor, aí começa o drama, a porca torce o rabo e a cobra vai fumar.

Dois ambientes amorosos podem co-existir por um tempo, mas são incompatíveis por definição.

O momento inevitável da escolha vai chegar por mais que você afaste a idéia do pensamento com a simplicidade de quem arranca uma felpa do dedo.

Quando você percebe que seu gesto amoroso para um(a) infesta você de culpa por causa do outro(a), pode crer, a colisão está bem ali, uma imensa parede esperando por você, pronta para esborrachar você em mil pedaços que levarão muito tempo para se reunirem novamente.

Não dá mais, você não consegue continuar assim, vem o dia dramático, a hora desesperada em que, entre dois amores, você escolhe um e abandona o outro.

Metade de você ficará um bom tempo dilacerado, mas o tempo, ele mesmo, se encarrega de recompor a ferida e mais tarde restará uma doce lembrança, acalentadora e rica, do período de sua vida em que você foi plenamente feliz.

O outro, o amor abandonado, bem, ele vai ter que se virar sozinho entre o ódio, o ciúme, a compreensão, o carinho e a própria existência.

Caso a sua paixão se esgote comme il faut, as sensações perdendo intensidade aos poucos, as emoções esfriando ao ar livre, talvez reste um resquício de culpa mística, algo assim de leve, a lembrar que você foi fraco(a) uma vez na vida, mas lá no fundo a certeza de que valeu à pena, você não podia passar a vida inteira sem saber, afinal de contas, como é que “os outros” vivem.

Pessoalmente acho que a paixão é o verdadeiro sentido da vida e o amor a sua explicação. Cada coisa no seu lugar.

Quem nunca atirou a primeira pedra que ponha um telhado de vidro, use guarda-chuva de papel, calce sapatos de lama e vista a roupa invisível do rei.

Ou finja que não está nem aí, o que vem de baixo não lhe atinge e interne-se num mosteiro.

One Comment

Deixe um Comentário
  1. Juliana A B Arosi / Jan 31 2015 20:50

    Ler as belíssimas crônicas do querido Paulo sobre paixão faz-me sentir como se estivesse comunicando-me com o ser-objeto de minha paixão secreta… Como se estivesse realizando-a, secretamente. Fabuloso.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: