Skip to content
28/10/2013 / Paulo Wainberg

Coisas da vida

07/05/2010

(Esta crônica está em meu livro Outro Vagabundo Toca em Surdina, WS Editora)

.Propaganda em causa própria, mas quem liga?)

Dentre todos os utensílios domésticos que já procurei e não achei, o mais dramático foi o sacarrolhas.

Sozinho em casa, você se prepara para assistir o jogo na TV quando soa a campainha: um antigo conhecido que há tempos você não via, passando por ali, resolveu fazer uma visita rápida.

Você oferece um vinho e dá inicio a um processo torturante de busca quando, ao abrir a gaveta dos talheres, na cozinha, verifica que o sacarrolhas não está lá.

A visita está sentada na sala e você, já desesperado, abre gavetas, portas de armários e nada de um sacarrolhas para abrir o vinho.

Bagas de suor correm de sua testa enquanto você tenta arrancar a rolha com uma faca serrilhada e pontuda que se quebra imediatamente deixando você, literalmente, com o cabo na mão.

Você se acalma e reflete: “está aqui, eu é que não estou vendo” e começa a busca, desta vez sistemática, inclusive na gaveta dos panos de prato, que você desarruma irremediavelmente e não acha.

Você começa a pensar que nunca teve um sacarrolhas em casa e lembra que há três dias ele foi usado por você mesmo, quando sua mulher estava lá e a empregada também. Você pediu o sacarrolhas com a simplicidade de quem pede uma lata de azeite e ele foi posto ao seu dispor em menos de quinze segundos.

Mas agora, sozinho, a visita na sala, você tenta fazer o raciocínio delas, as mulheres que cuidam de seu lar: Qual é o misterioso lugar onde elas guardam o maldito utensílio? Qual esconderijo profundo elas instituíram na cozinha para tornar aquele momento num dos mais tormentosos de sua vida?

Um sorriso aflora em seus lábios trêmulos: “É lógico, como não pensei antes? O armário do corredor onde estão os pratos, talheres, cálices e copos, reservados para uso numa ocasião especial que, nos últimos vinte anos, ainda não aconteceu. É ali que está o sacarrolhas!”.

Mas não é. No armário do corredor há coisas que você nunca soube que existiam em sua casa, outras que você não imagina para o que servem, acha um velho cachimbo que, há quinze anos procurou como um louco, eis o faqueiro de prata para as ocasiões especiais, mais ou menos doze porta-retratos vazios empilhados lá no fundo, uma caixa repleta de parafusos variados e alguns pregos, quatro pacotes de guardanapos de papel impressos com as suas iniciais e os de sua esposa, dezenas de flechas para tomadas  porém, nenhum sacarolhas. Abridores de lata,tinha cinco.

De volta para a cozinha você abana para a visita e já está a ponto de propor uma água mineral em troca do vinho quando percebe que está sendo seguido! Sim, a visita vem atrás de você, entra na cozinha e pergunta se pode ajudar. Com um sorriso desolado você confessa

— Desculpe, não consigo achar o sacarrolhas.

— Está ali – diz a visita, apontando para um lugar na parede, ao lado do refrigerador. Sim, ali está pendurado num negócio de madeira com ganchos e que você nunca tinha visto antes. E o sacarrolhas está ali, placidamente pendurado, bem à vista dos seus olhos caso você tivesse olhado para lá.

Aliviado, você volta para a sala com a visita, abre a garrafa (é um sacarrolhas a vácuo ou coisa assim), serve e se recosta, ponderando intimamente que precisa prestar mais atenção nas coisas domésticas.

O amigo dá um suspiro e começa a contar todos os problemas de sua vida, desde os quinze anos.

Você já se conformou, não vai poder assistir ao jogo na TV, mas, depois da segunda garrafa, quem liga?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: