Skip to content
14/06/2013 / Paulo Wainberg

Ciumes, a poética

São vários os tipos de homens ciumentos. O mais comum é aquele que tem ciumes porque acha que a mulher faz com ele o que ele faz com ela. Sendo infiel, parece lógico que todos são, inclusive sua mulher.

Cada vez que a trai, chega em casa ardendo em ciumes, certo de que foi, está e continuará sendo enganado.

Nenhuma mulher merece esse tipo de homem, isto é o que eu penso.

Outro tipo de ciumento é o que não trai sua mulher, mas tem a firme convicção de que não merece a mulher que tem.

Olha-se no espelho, faz o inventário de suas qualidades e defeitos e fica convencido de que não é admirado, não é amado, como uma mulher dessas iria querer alguma coisa com ele.

Este ciumento esquece que sua mulher o escolheu, que determinou que ele seria o homem da vida dela, menospreza os sentimentos que ela demonstra ter, duvida de qualquer atenção e carinho e está sempre procurando indícios da traição, na bolsa e no celular dela, não admite que ela tenha amigos internáuticos, se percebe um homem olhando para ela em lugares públicos fica certo de que ela é quem provocou, faz escândalo, fustiga a esposa e vai chorar no banheiro, arrependido, humilhado, frágil, e logo vai pedir desculpas que ela só vai aceitar se gostar mesmo muito dele.

Em geral esse tipo de ciumento acaba mesmo traído porque nenhuma mulher merece um homem assim.

Há ainda o ciumento indefinido. Este adora imaginar sua mulher com outro homem, perde o sono fantasiando que sua esposa está num motel com um amigo comum, fica decepcionado quando suas fantasias não se realizam e até hoje não decidiu se, quando imagina a mulher com outro homem, não gostaria de estar no lugar dela. Por isto é chamado de ciumento indefinido, ainda não definiu se é hétero, gay ou bi.

Este tipo de ciumento não incomoda muito, sua mulher raramente percebe que ele tem ciumes e se, por acaso, um dia ela tiver alguma aventura, vai contar a ele que, imediatamente, ficará profundamente excitado, querendo sexo na hora com a mulher e, para o resto da vida em comum, enquanto durar, não deixará que ela esqueça um minuto a traição, perguntando se foi bom, como é que foi, se o pênis do outro era grande ou pequeno, onde o outro a tocou, o que ela sentiu, se ela gemeu até o dia em que ela, arrependida de ter contado a infidelidade, muda de endereço porque, francamente, nenhuma mulher merece um homem assim.

A série é longa, mas vou resumir, descrevendo o único tipo de ciumento que vale à pena e que, inclusive, pode merecer a mulher que tem.

É o homem profundamente apaixonado e que ainda não tem certeza de ser correspondido.

Em geral, este ciumento tem ciúmes não de uma possível traição, mas do que ela faz quando não está com ele. Ele sofre porque ela consegue se divertir, correr, caminhar, ir a academia, cabelereiro, escritório, gostar das suas atividades sem que ele esteja junto, participando, partilhando e se metendo onde não foi chamado.

Este ciumento, chamado de ciumento eventual, não briga, não acusa, mas faz ironias, pequenas interrogações como “foi bom pra você, então, hein?” ou acusações veladas, “aposto que nem pensou em mim nos últimos dois quilômetros da corrida”, coisas assim que criam um pequeno mal estar que logo se dilui na intensidade da paixão.

Quando o ciumento eventual sente que sua paixão é correspondida, o ciume desaparece, a confiança é total e, sinceramente, acho que toda mulher merece um ciumento deste tipo, um homem assim.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: