Saltar para o conteúdo
20/06/2012 / Paulo Wainberg

Segunda carta literária

Escrever não é um ato solitário. Masturbação é um ato solitário. O escritor nunca está só, pois no seu universo interior habitam centenas de pessoas, com suas vidas, milhares de cidades, com suas ruas, incontáveis sentimentos, com suas emoções.

Quando escrevo, sinto-me povoado. Estou sempre escrevendo, mesmo quando não estou digitando. Isto faz de mim um ser que jamais fica sozinho pois, em minha mente, há sempre diálogos que se travam, ações que se executam até mais não poder, até os limites da imaginação.

Posso escrever rodeado de pessoas, assim como posso ler no meio de uma multidão. Meu mundo literário é muito mais intrigante do que a realidade em que vivo. Nesta, quase tudo se repete e é previsível.

Para o escritor, para mim, neste espantoso fenômeno da imaginação, tudo é improvável e inesgotável.

Para o ato solitário da masturbação, basta uma boa fantasia.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: