Saltar para o conteúdo
08/12/2011 / Paulo Wainberg

Nova onda.

Aconteceu que eu caminhava, quando cruzei com um sujeito muito parecido com um amigo a quem não via há anos. Pensei, com meu ziper: “Onde andará Fulano, a quem não vejo há anos?” Metros adiante, vindo em minha direção, o Fulano.

Depois das efusivas saudações seguidas da imediata falta de assunto e da habitual despedida vamos nos ligar para um chope, novamente pensei com meu zíper: “Onde está a coincidencia? No cara parecido com meu amigo? O cara parecido me fez pensar no meu amigo? Ou no aparecimento imediato do meu amigo?”

Sem uma resposta definitiva para as perguntas, optei pela explicação mais lógica, isto é, lançamento de ondas cerebrais à distância.

É muito simples e muito claro, meu amigo vinha por aquela rua, lançando suas ondas cerebrais ao vento; eu vinha por aquela rua, lançando as minhas ondas cerebrais ao vento. As duas ondas se cruzaram a ponto de fazer com que eu achasse alguém parecido com meu amigo, pois meu cérebro já sabia, de antemão, que o meu amigo ia cruzar comigo.

Foi assim que, com o assunto resolvido, fui em frente e não pensei mais nisso.

Mas numa coisa continuei pensando: na palavra antemão, que usei acima. Há quantos anos eu não escrevia antemão, palavra possivelmente em desuso, não leio nem ouço alguém falar antemão.

Antemão significa antes da mão, se fosse contra a mão seria antimão, isto está claro? Então, saber alguma coisa de antemão significa saber dessa coisa antes da mão, o que, é sério, não faz sentido porque, no caso de nós, seres humanos, saber antes da mão é simplesmente saber, antes, o que vamos fazer com a mão, coisa que qualquer adolescente pode nos explicar toda vez que se esconde no banheiro.

Como é que eu podia saber de antemão que meu amigo cruzaria comigo?

Portando, encerro.

2 comentários

Deixe um Comentário
  1. sudonorte / Dez 8 2011 13:24

    Paulo!!!!!!!!!!!!!!
    De antemão de digo que essa coisa de pegar com a mão, ainda que dita assim de forma velada, nada te a ver com encontrares teu amigo, foi obra do acaso!
    Tuas ondas cerebrais não teriam o poder de arrastá-lo até tua presença… Ele estava por perto e foi “sentido” por voce….que, por sua vez, fazendo uso que bem entende com as palavras teceu esse maravilhoso trocadilho para nos deleitarmos.
    Adorei.
    Abraço, suzana figueiredo

    Gostar

  2. Minerva Braymer / Abr 10 2013 0:27

    Attractive section of content. I just stumbled upon your site and in accession capital to assert that I acquire in fact enjoyed account your blog posts. Any way I’ll be subscribing to your augment and even I achievement you access consistently quickly.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: