Saltar para o conteúdo
13/07/2011 / Paulo Wainberg

Crônica antiga – Elos candentes

Na próxima meia hora encaminhe este e-mail para duzentos e vinte e sete amigos e você não será obrigada a comer escargôts, no primeiro jantar com os pais dele. As sungas não causarão assaduras e, muito em breve, talvez você receba aquela notícia que está esperando há anos e que, depois de tanto tempo, não adianta mais nada.

Esta é uma corrente instituída no século XI pelo último sobrevivente da Ordem dos Templários, um senhor chamado Jacques de Molay, dias antes de ser queimado na fogueira por ordem de Filipe o Belo, também conhecido como o Rei de Ferro.

Desde então tem percorrido o mundo e seus adeptos foram beneficiados através dos séculos.

Jean-Luc Podard não interrompeu a corrente e foi o único da sua rua que escapou da Peste Negra que assolou a Europa. Honoré de Balzac, que morava duas quadras adiante, foi obrigado a escrever a Comédia Humana para sobreviver, simplesmente porque ignorou a corrente, jogando-a displicentemente nas águas turvas do Rio Sena.

O xeique Mal Batahan recebeu a corrente e imediatamente a enviou para os duzentos e vinte e sete amigos. Resultado: viveu rodeado de odaliscas, ninfas e ninfetas, além de ter inventado dezenas de enigmas matemáticos que fazem a alegria, até hoje, dos que se lembram dele. Sadan Hussein ignorou a corrente e… deu no que deu.

Não duvide do poder das correntes, lembre-se que ele se origina nas fortes ondas magnéticas transversais das pirâmides, egípcias ou maias que, como se sabe, são calculadas a partir de conceitos sinodais ou, concretamente falando, agem como uma avalanche de abacates, com estrondos de jacas gigantescas caindo dos galhos.

Um dos exemplos mais impressionantes a mostrar o que ocorre quando alguém interrompe a corrente, ocorreu nos Estados Unidos. O Coronel Jack Jackson ‘The Third’ ganhou sozinho, na loteria de lá, a quantia de vinte e cinco milhões, seiscentos e trinta e quatro mil e doze dólares. Dois dias depois recebeu a corrente e interrompeu o ciclo, não enviando a mensagem aos duzentos e vinte e sete amigos. Na semana seguinte sua mulher pediu o divórcio e levou a metade do dinheiro. Um mês depois, após aplicar a fortuna restante num consórcio imobiliário, viu o dinheiro virar pó, quando a empresa faliu. Dois meses depois descobriu que havia contraído AIDS. Seis meses mais tarde foi acusado de traição e expulso com desonra do exército americano. Um ano depois, doente e arruinado, foi acometido de uma crise de pedras nos rins, incontinência urinária e herpes pubianas.

Por sua vez Louise Viton, uma dona de casa de Wisconsin, que acreditou na corrente, viu o grande sonho de sua vida realizar-se: ganhou um autógrafo, ao vivo, de Robert Redford.

Se você der seguimento a esta corrente sua sorte será infinita. Você será sempre a primeira a chegar e não terá de enfrentar filas. Nunca faltarão lugares no teatro e quando chegar em casa sua mãe terá preparado seu prato predileto: guisado de carne com arroz, couve, feijão e batatas fritas. Aquele emprego será seu, o teste de gravidez dará negativo, as duas melhores gatinhas do colégio vão te convidar para uma festinha a três, sua mulher ficará um mês sem reclamar e nunca mais cairão botões de sua camisa.

Todos os seus desejos se realizarão, salvo os que não se realizarem, como aconteceu com Inesita Valdez, motorista de táxi chilena que desejou ser motorista de ônibus e conseguiu e, depois, desejou ser dona da frota e não conseguiu.

As correntes, assim como a previsão do tempo não nos dão certezas absolutas.

Porém, ouse interromper a corrente e prepare-se para o inferno. Surgirão calos nos seus dedos dos pés, seu ácido úrico subirá a índices gotejantes, suas duas cunhadas vão se divorciar e se mudar para sua casa, no churrasco de domingo a maionese vai estar estragada, dor de dentes é absolutamente certo, na hora H você vai brochar, você será chamada de madrugada para apartar uma briga entre seus pais, também é absolutamente certo que você vai ignorar a luz vermelha que acendeu no painel e o motor do carro vai fundir.

Mesmo que você seja descrente e ache bobagem esse negócio de corrente, não vale a pena arriscar. Porque, se você quebrar o elo, pode ter certeza absoluta, desgraças ocorrerão, a pior de todas é que você continuará recebendo estas crônicas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: