Skip to content
22/12/2010 / Paulo Wainberg

Chanuca, natal e ano novo

Judas Macabeu liderou a revolta dos judeus contra o rei grego Antíoco IV, recuperando o Templo e o domínio de Israel.

Dois milagres teriam ocorrido.

O primeiro foi a vitória em si, pois os combatentes judeus eram camponeses, não preparados para a batalha que foi ganha graças à inteligência estratégica e tática de Judas Macabeu, filho de Matatias, que empregou técnicas de guerrilha contra o poderoso exército grego.

O segundo milagre consistiu no fato de uma lamparina, com azeite para apenas um dia, ter permanecido acesa durante oito dias, quando a produção de óleo novo ficou pronta.

Essa única luz permaneceu milagrosamente acesa, iluminando o Templo que fora purificado, eliminando-se os vestígios da ocupação grega.

O oitavo dia caiu no dia 25 de dezembro de 164 antes de Cristo.

Desde então os judeus celebram o Chanucá, a festa das luzes, ocasião em que acendem a chanukia, castiçal para nove velas, cada uma delas simbolizando cada um dos oito dias e a nona utilizada para acender as demais.

É uma festa de alegria, de canto e dança, as pessoas se beijam, se abraçam e trocam presente, e vem logo após a festa de Sucot, a festa da colheita.

No século XVI o papa Gregório III instituiu o novo calendário, chamado calendário gregoriano, sob o qual orientam-se a maioria dos povos da terra, salvo uns poucos como os eslovenos, que ainda seguem o substituído calendário Juliano, remanescente do Império Romano.

O calendário gregoriano instituiu o dia 25 de dezembro com data de nascimento de Jesus Cristo e o dia primeiro de janeiro para o início do ano novo.

Há correspondência entre as principais festas cristãs e as anteriores, judaicas, inclusive no tocante à proximidade das datas, é notória e incontestável.

A Páscoa, corresponde ao Pessach. Celebram coisas diferentes, mas simbolizam o mesmo: a liberdade, a ressurreição, a nova vida. Em geral são celebradas em épocas muito próximas, entre final de março e abril.

O Dia de Finados e o Yom Kipur – Dia do Perdão -, festas reflexivas, de reverência ao passado, aos ancestrais, datas de expiação e perdão. Finados em novembro, Dia do Perdão em meados de setembro.

Inúmeras outras celebrações e festividades, ao longo de um ano, correspondem, em ambas as religiões e também na muçulmana, mostrando que cada uma das igrejas respeita o passado comum, adaptando as datas às respectivas doutrinas.

Se o Chanucá é uma festa judaica, o Natal, de há muito, transcendeu o cristianismo e assumiu a condição de grande festa da humanidade.

Impossível não ser contagiado pelo clima edificante deste período do ano e, malgrado sua abusiva comercialização, gera nas pessoas um indizível sentimento bom, como se nossos corações fossem impregnados só de bondade, afeto e querer bem.

Chanucá e Natal são festas de luzes, cidades se iluminam, fogos de artifícios nos iluminam, presentes são dados e trocados e só o que se deseja é tudo de bom para o outro.

São festas de se abraçar, trocar carinhos, dizer belas palavras ou, simplesmente, ficar quieto, absorvendo a fantástica energia do bem que percorre o planeta.

No mundo inteiro, independente da origem de cada um, a humanidade se compraz, assume o rosto da satisfação e sorri muito mais do que chora.

Alguém pode me perguntar a razão de estar escrevendo sobre isto.

Explico-me: eu também me impregno de tudo isto e, ainda que minha razão exija a crítica, meu coração não resiste e se entrega ao espírito das festas, contaminado por todas as coisas boas que são possíveis de sentir.

Não há motivo para lutar contra isso. Nenhum motivo.

Não há nenhuma razão que me impeça de desejar tudo de bom para todo o mundo.

Então aí vai:

Tudo de bom para todos. Feliz Chanucá, Feliz Natal, Feliz Ano Novo.

2 comentários

Deixe um Comentário
  1. Susana freitas / Dez 12 2012 15:37

    Que legal esta crônica Paulo! Adooooooorei!!! Feliz Tempos de luzes paz e muitos amores!
    beijo querido!

    Gostar

  2. Adriane Garcia / Dez 3 2013 14:58

    Que linda reflexão. E aprendi mais sobre a cultura judaica. Boa maneira de entender essa de olhar o que há de bom. E há.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: